CLICK HERE FOR THOUSANDS OF FREE BLOGGER TEMPLATES »

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

28 semanas... Jà é ano novo....

Hoje completamos 28 semanas. É inicio de mais um ano e quando penso no futuro dá um pouquinho de  receio, medo não sei bem ao certo...
Penso que daqui a 3 meses vou ter um bebezinho pra cuidar, alguém que por algum tempo vai precisar muito, quase que exclusivamente de mim. 
Imagino se Deus na sua imensa sabedoria, irá colocar mais uma grande quantidade de amor dentro do meu coração... Mas na mesma quantidade pra poder ser dividido entre as duas coisas mais importantes para mim; minhas filhas...  Laís que é o presente que pedi a Deus e a Júlia, que ELE me deu de presente...  Sem eu nem precisar   pedir... 

Comecei o ano bastante cansada pois recebi na minha casa meus familiares que viajaram de Teresópolis para passar o reveilon aqui na praia.  Foi legal apesar do tempo não ter ajudado muito.  Todos dormiram meio apertados (eram 10 pessoas) Mas pra quem quer se divertir sem gastar dinheiro não tem outro jeito a não ser se apertar na casa dos parentes kkk.
Teve muita comida, churrasco (eu quase não comi pois ainda não tô muito afim de carne,o cheiro me dá nojo) e doces (cai na rabanada). Acho que exagerei um pouquinho na comilança e bebi muito refrigerante também, coisa que tento evitar a todo custo mas não estou conseguindo.
Essa semana vou fechar minha boca e tentar comer só coisas saldáveis.
Marido virou o ano trabalhando, e eu que não sei se é chatice minha (acho que não...) fiquei magoada porque ele nem me deu um abraço desejando feliz ano novo, antes de sair para o trabalho.  É Sempre assim ele se atrasa pra sair e eu fico a ver navios...  Não sei se é carência ,mas o fato, é que acho as vezes que ele não liga pra mim sabe...  Eu Só queria um pouquinho de paparicos, carinho...  Eu reclamo e ele ainda fica de cara feia...  Acabei discutindo com ele...  Começamos o ano assim... Eu estou super sensível e pedindo um pouquinho mais de atenção  mas ele não entende...  Acho egoísmo da parte dele, mas sei que homem é assim mesmo, saõ raros os que dão um bom suporte emocional a mulher no período em que ela está gravida....  E agente precisa tanto...
Então estou um pouco chateada, mas vamos ver como isso vai ficar...
Na quarta-feira passada eu disse  que levei um tombo na escada aqui de casa e que não tinha acontecido nada.  Só que a noite quando já estava relaxada é que fui sentir a dor no joelho.  Doía muito e mal conseguia mexer a perna, então no dia seguinte tive que ir ao hospital e o médico disse que havia torcido.  Ele não quis fazer raio x pois disse que não é bom por causa da radioatividade que faz mal ao bebe e também não me passou antiinflamatório pois também não era bom.  Me mandou que tomasse somente Tylenol para dor e repouso absoluto e ainda brigou comigo pois eu estava usando uma sandália que tinha um saltinho a toa  (isso porque ele não viu as salto anabela que uso) perguntou se eu estava querendo torcer o outro joelho também...
Resumo da ópera;  imobilizei a perna da coxa ao tornozelo.
Era pra ter ficado com a tala de 7 a 10 dias, mas eu tirei ontem pois não tem como ficar com aquela coisa me pinicando, além de ser pesado (já não basta o peso da barriga!) e eu recebendo visita, como faria repouso (logo eu a agitação em pessoa).  Ainda fiz a besteira de ir a praia.  O Gesso desceu e entrou um pouco de areia...  Kkkk...  Tive que tirar.
Figura eu... Barriguda, de perna enfaixada, com o braço ralado passeando na praia. . Só faltou mostrar o roxo da poupança (calma! não fui de biquine kkk)... 
Depois que tirei a imobilização fiquei mancando um pouco pois quando piso, força o joelho e incomoda um pouco.  Fiz compressas de água quente e hoje nem doeu tanto, só quando forço.  Ainda bem, pois não tenho paciência pra doença e tenho muita coisa pra fazer em casa e não tenho ninguém pra me ajudar não.  Não posso me dar ao luxo de ficar de repouso por conta de uma dorzinha no joelho kkkk... (dorzinHa nada ,encomoda paca...).  Mas dá pra aguentar.
Com a minha filhotinha está tudo ok. Ela ganhou um monte de presentes da vovó.  Vou tirar fotos e postar pra mostrar os mimos depois.
Tirei  umas fotinhas aí.  Eu engordei 8 kg, estou me achando uma gordinha, com o rosto grande..  Sei lá... Não riam!






Essa aí é a foto(a foto está virada) do roxo que ficou na minha poupança...kkk!

Na noite de natal. 27 semanas

hoje, 28 semanas.. Meu barrigão...

1 comentários:

MARIA FERNANDA disse...

Menina, que barrigão!!!! benza Deus!!!! a minha tá bem menor e eu mal me aguento...
Ah, bem vinda ao clube das com dor sem remédio: eu dei mal jeito no pescoço e ganhei uma coleira mas remédio que é bom, nada...AFFFF!!!!!
Olha, ve se para de fazer estripulia e sossega pra não torcer mais nada...
bjão

Os efeitos da Raquianestesia no parto da Laís (Relato do Parto- Novembro de 2008)

No dia 13 de Novembro de 2008, nasceu a minha pequena Laís. Do dia do parto ficou a lembrança da primeira vez que vi aquele rostinho.. das bochechas rosadinhas!... E o terrível pós operatório de uma cesária. Minha filha veio ao mundo com pós datismo, de 41 semanas e 2 dias, depois de uma indução de parto de 6 horas com ocitocina, sem evolução. Ao nascer teve que ser aspirada e teve uma nota (apgar) 3, nos primeiro minutos de vida. Ou seja, entrou em sofrimento fetal, por ter respirado liquido aminiótico. Mas, graças a Deus, logo veio para meus braços, um pouco sufocadinha, mas bem. Eu, logo após a cirurgia, fiquei prostrada, de tanta dor de cabeça que sentia. Parecia que aquela porcaria da tal anestesia "raqui" tinhas subido para meu cérebro!. Passei muito mal. Na mesa,enquanto o médico fazia o parto, eu debatia meus braços incontrolavelmente, além de sentir um pouco de falta de ar. E fiquei tremendo até a anestesia passar, tremia igual vara verde! Eu fiquei tão mal que não consegui amamentar a Laís no primeiro dia.Eu sei que apaguei. E só me lembro de sentir muita dor. No segundo dia de internação eu e minha bebê fomos examinadas. Parecia estar todo bem, embora eu ainda sentisse dor de cabeça, tivemos alta. Já em casa, de noite ao dormi,senti algo queimando na minhas costas e subindo até o pescoço, não dei importância e peguei no sono. Foi aí que começaram uma série de pesadelos e vertigens assombrosos. Eu via pessoas de minha família como se fossem minhocas,outra hora rodava numa corda e era atirada contra paredes num lugar estranho cheio de montanhas. Via seres bisarros que me faziam previsões sinistras (como dizer que eu não poderia ficar com minha bebê). E quando tentava acordar via como se o teto estivesse descendo sobre mim. e via insetos voando pelo quarto. Enfim... Chorava muito e confeço que fiquei com medo de ter problemas por causa do efeitos colaterais da Raqui em meu organismo. Fiquei com medo de ficar louca. Ouvia choro de bebê toda vez que ia tomar banho, e ficava apavorada. Perguntava ao meu marido se a Laís estava chorando e não havia choro algum, era todo coisa da minha mente. E aquela dor de cabeça infernal que nenhum remédio passava... Orava muito e pedia a Deus que não acontecesse nada de ruim comigo, e em 3 dias fui melhorando. Os pesadelos acabaram. E a Dor já não era tanta. Não bastasse isso também tive problemas para amamentar minha filha, eu não sabia como fazer direito, agente não se entendia e ela chorava de fome tadinha... E o meu leite empedrava a toa. E com isso vinha a febre. Foi um sufoco meus primeiros dias como mãe... Mas é um sentimento, um instinto tão forte, que nenhum desses problemas que tive me afastaram da minha filha. Eu com febre, com dor, tendo alucinações e mesmo assim o amor era tão forte que não deixava a mente ser mais forte que eu. E assim os dias foram passando e tudo foi se ajeitando. Apesar de tudo de ruim que passei, a alegria de ser mãe, de saber que aquele pedacinho de gente saiu de dentro de mim, de saber que a minha filha naquele momento olhava para mim e parecia me dizer; mamãe, nesse momento eu só preciso de seu carinho e de seu cuidado!... Isso e somente isso me importavam. Agora eu sou mãe!!!!













SOBRE A ANESTESIA USADA NO MEU PARTO: A RAQUIANESTESIA Denomina-se raquianestesia ( bloqueio subaracnóideo ) a anestesia que resulta da deposição de um anestésico local dentro do espaço subaracnoídeo. Ocorre bloqueio nervoso reversível das raízes anteriores e posteriores, dos gânglios das raízes posteriores e de partes da medula, advindo perda da atividade autônoma, sensitiva e motora. São indicadas para cirurgias de abdômen e extremidades inferiores, inclusive para cirurgias obstétricas ( parto vaginal e cesariana ). Como a medicação é depositada dentro do Líquor, é necessária apenas uma pequena quantidade de anestésico local para produzir anestesia altamente eficiente. Trata-se de uma importante vantagem da raquianestesia sobre a peridural, pois trabalha-se com um risco de intoxicação por anestésicos locais muito próximo de zero. A desvantagem mais conhecida da raquianestesia é a cefaléia pós-punção (nome técnico para a dor de cabeça que pode aparecer quando perfuramos a dura-máter). A explicação mais aceita para esta condição é relacionada com o "furinho" que fica por alguns dias na dura máter e provocaria perda de líquor do espaço subaracnoídeo, causando a dor de cabeça. Com a introdução de agulhas mais finas, descartáveis e menos traumáticas, esta técnica novamente ganhou grande impulso. Porquê a incidência de cefaléia diminuiu tanto com este novo material ??? A resposta é simples: agulhas melhores fazem "furinhos" menores nas meninges, ocasionando menor escape de líquor e menor probablidade de cefaléia. A simplicidade de realização, o excelente controle do nível de anestesia que proporciona, a excelente qualidade do bloqueio sensitivo e motor, o baixo custo e a segurança do procedimento explicam por que esta é uma das técnicas anestésicas prediletas do anestesiologista brasileiro.